Programa

Programa Mesas-Redondas

Em breve resumos dos trabalhos admitidos para o XI Encontro da Rede Braspor

 Proceedings of the XI th International Rede Braspor meeting coming soon

Dia 26/10/2021

Moderadora Ana Cristina Roque – CH-FLUL, Universidade de Lisboa (Portugal)

10h00 (🇧🇷) ~ 14h00 (🇵🇹) – Abertura

Amélia Polónia – CITCEM FLUPorto& FLUL, Universidade do Porto (Portugal), Sílvia Dias Pereira – Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Brasil), Luís Cancela da Fonseca – CCTA – UAlg & MARE – Universidade de Lisboa (Portugal)

10h20 (🇧🇷) ~ 14h20 (🇵🇹) Homenagem ao Professor Tomasz Boski

Oradores: Delminda Moura – CIMA – UAlg – Universidade do Algarve (Portugal) , João Alveirinho Dias – UAlg, Universidade do Algarve (Portugal), Antonieta Rodrigues – Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Brasil), Rosário Bastos – CITCEM – UP& Universidade Aberta (Portugal), Sílvia Dias Pereira – Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Brasil)

11h00 às 11h10 (🇧🇷) ~ 15h00 às 15h10 (🇵🇹) Pausa

☕️☕️☕️☕️☕️☕️☕️☕️☕️☕️☕️

11h10 às 12h10 (🇧🇷) ~ 15h10 às 16h10 (🇵🇹) – 26/10/2021

Mesa redonda: CoopMar – Políticas públicas de memória e de preservação patrimonial no espaço ibero-americano

Amélia Polónia (Portugal), Ana Maria Riveira Medina (Espanha), Guilherme Marques (Brasil), Fernando Vergara Benittes (Chile), Fernando (Panamá), Ricardo Torres (Cuba) (a confirmar).

Sinopse: Os portos marítimos foram, durante séculos, a mais contínua plataforma de interface e de intercâmbio entre a Europa, a África e a América. As cidades portuárias emergem como estruturas e construções sociais com características próprias. Apresentam-se como locais privilegiados para o desenvolvimento de estudos sobre alteridade e sobre formas de permeabilidade, inclusive cultural. As cidades-porto, na Europa, e na América Latina, deparam-se também com desafios, e com riscos, decorrentes dos elevados níveis de desenvolvimento de uma indústria turística que explora patrimónios, materiais e imateriais, edificados, simbólicos ou naturais, frequentemente sem benefícios para os construtores, herdeiros e fautores desses patrimónios – as comunidades locais. Esta matéria agudiza-se quando nos encontramos perante memórias e patrimónios construídos historicamente através de dinâmicas coloniais. Muitas questões se levantam em torno da gestão dessas memórias e dessas heranças. As comunidades exigem hoje o reconhecimento de identidades e de valores autóctones e clamam por distintos conceitos e práticas de preservação das suas próprias memórias e patrimónios. O papel das políticas públicas nestas dinâmicas é de relevante importância. A interação entre a produção de saber (académico e não académico), os desafios da(s) sociedade(s) e os meios operativos ao dispor dos agentes e das entidades envolvidas tornam relevante uma outra discussão em torno dos meios e dos recursos disponíveis para o desenho e a implementação de políticas públicas de memória e de gestão de patrimónios em cidades porto Ibero-americanas.

São estes os principais desafios com que se debate o projeto sustentado pela Rede CoopMar, cujos objetivos, estratégias e realizações estão na base da organização desta mesa-redonda.

 12h10 (🇧🇷) ~ 16h10 (🇵🇹) – Visita Virtual ao Porto

Dia 27/10/2021

Moderadora – Sílvia Dias Pereira – Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Brasil)

10h00 às 11h00 (🇧🇷) ~ 14h00 às 15h00 (🇵🇹) – 27/10/2021

Mesa redonda: O Registro Geológico do Antropoceno nas Áreas Costeiras

Michel Mahiques (Brasil), Cesar Martins (Basil), José Antonio Baptista Neto (Brasil)

Sinopse: Ainda que tenha uma parcela significativa de sua população vivendo próximo ao litoral, o desenvolvimento urbano e industrial da região costeira do Brasil é tardio, quando comparado a outros países do mundo. Os exemplos mais antigos acham-se associados à exploração mineral, presente desde a época do Brasil colonial, e ao desenvolvimento portuário, intensificado a partir do início do século XX. Os registros geológicos da industrialização são mais tardios, datando de meados do século XX.  Nesta mesa redonda serão apresentados exemplos do registro antrópico na coluna sedimentar, através de um estudo de caso (Baía da Guanabara) e de um conjunto de proxies (constituintes orgânicos).

11h00 às 12h00 (🇧🇷) ~ 15h00 às 16h00 (🇵🇹) – 27/10/2021

Mesa redonda: A peste sobre o mar: zonas litorais, doenças e curas (séc. XVI/XX)

Ana Roque (Portugal), Ana Catarina Garcia (Portugal), Gisele da Conceição (Portugal), Luís Cancela da Fonseca (Portugal), Monique Palma (Portugal/Brasil)

Sinopse: Privilegiando-se uma abordagem diacrónica, pretende-se estimular a discussão sobre a problemática das doenças e práticas de cura em ambientes litorais, com o objetivo de um melhor enquadramento destas questões na atualidade. Nesse sentido, propomos um percurso que, do século XVI ao XXI, tenha como enfoque os portos e as medidas profiláticas que foram sendo adotadas em função da realidade das zonas litorais, passando pelo papel dos cirurgiões e da construção e circulação do saber médico num espaço geográfico transoceânico e transnacional, para chegarmos à situação atual em que não só se consideram estas questões, como se incorpora toda a problemática dos oceanos, seja na sua vertente de meio de comunicação e veículo de circulação (pessoas, conhecimentos, tecnologias, doenças…), seja na vertente da ligação da saúde e dos recursos dos oceanos com a saúde dos habitantes da Terra.

12h00 às 12h30 (🇧🇷) ~ 16h00 às 16h30 (🇵🇹) – 27/10/2021

Apresentação do X Tomo da Rede Braspor

Miguel da Guia Albuquerque – Instituto Federal do Rio Grande do Sul (Brasil) e Luís Cancela da Fonseca CCTA – UAlg & MARE – Universidade de Lisboa (Portugal)

Dia 28/10/2021

Moderador – Miguel da Guia Albuquerque – Instituto Federal do Rio Grande do Sul (Brasil)

10h00 às 11h00 (🇧🇷) ~ 14h00 às 15h00 (🇵🇹) – 28/10/2021

Mesa redonda Evolução climática e costeira

João Alveirinho Dias (Portugal), Ulisses Azeiteiro (Portugal), Davis de Paula (Brasil)

Sinopse: Serão abordadas algumas das consequências importantes das alterações climáticas (incluindo, obviamente, a elevação do nível médio do mar) nas zonas costeiras, entre as quais a redução (ou desaparecimento) da área útil das praias, a ampliação da erosão costeira e as modificações ao nível geomorfológico. De igual modo, serão referidas as consequências económicas e sociais a diferentes níveis. Serão ainda referidos outros aspetos, como a possibilidade de introdução de novas doenças, designadamente as que têm como veículos de propagação mosquitos e outros insetos, cuja disseminação induzirá, entre outras, consequências negativas ao nível do turismo e, portanto, na exploração e na economia das zonas costeiras.

  11h00 às 12h00 (🇧🇷) ~ 15h00 às 16h00 (🇵🇹) – 28/10/2021

Mesa redonda: DUNES. Gente, Areia e Mar: Apresentação de resultados do projeto

Joana Gaspar de Freitas (Portugal), Monique Palma (Portugal), Mihaela Tudor (Roménia), Ana Marcelino (Portugal e Antonio Ortega (Espanha)

Sinopse: O projeto DUNES (2018-2023), financiado pelo European Research Council e instalado no Centro de História da Faculdade de Letras de Lisboa, tem como objetivo fazer uma história ambiental das dunas costeiras a nível global. Nesta mesa-redonda, os participantes, todos eles ligados ao projeto, descrevem o trabalho que têm realizado, falam sobre os seus casos de estudo, discutem as vantagens e dificuldades da cooperação interdisciplinar e explicam as suas expectativas a nível científico e académico. Pretende-se que esta apresentação seja um espaço de debate entre os participantes e a audiência, dando a conhecer os desafios que se colocam à investigação no seu dia-a-dia.

Dia 29/10/2021

Moderador – Emiliano Castro de Oliveira – Universidade Federal de São Paulo (Brasil)

10h00 às 11h00 (🇧🇷) ~ 14h00 às 15h00 (🇵🇹) – 29/10/2021

Mesa redonda: Arqueologia Sub-Aquática

Ana Catarina Garcia (Portugal), José António Bettencourt (Portugal), Paulo Camargo (Brasil), Jaylson Monteiro (Cabo Verde), Rodrigo Torres (Uruguai)

Sinopse: Pretende-se trazer pela primeira vez o tema da arqueologia subaquática aos encontros da Rede da BRASPOR, refletindo sobre os principais pontos positivos que a afirmação desta disciplina tem trazido para o conhecimento sobre o passado humano. No entanto, pretende-se igualmente suscitar o debate em torno dos problemas mais prementes que a salvaguarda do património cultural subaquático acarreta, seja pela dificuldade das intervenções como pelos desafios da implementação de normas de conduta compatíveis com a salvaguarda e a preservação patrimonial por parte dos diferentes agentes envolvidos. Desta forma pretende-se abrir a discussão sobre esta disciplina tanto no Brasil, Cabo Verde, Uruguai e Portugal apresentando as diferentes sensibilidades que envolvem tanto a defesa como a proteção patrimonial em meio aquático, suscitando possíveis sinergias e colaborações e/ou contribuir para fortalecer os laços já existentes entre os diferentes intervenientes.

  11h00 às 12h00 (🇧🇷) ~ 15h00 às 16h00 (🇵🇹) – 29/10/2021

Mesa redonda: Sob as águas do mar – mergulho recreativo: integração social, histórias e ferramenta de pesquisa

Monique Palma (Brasil/Portugal), José Roças (Portugal), Delfim Trancoso (Portugal), Miguel Correia (Portugal)

Sinopse: O mergulho recreativo é uma atividade reconhecida de lazer e diversão, que proporciona contacto com o meio marinho e não só. Integração social, histórias e ferramenta de pesquisa acadêmica são temas contemplados por essa atividade subaquática e serão os assuntos basilares desta mesa redonda. Iniciaremos a abordagem apresentando o trabalho com o “mergulho adaptado”. Essa iniciativa corrobora para o processo de integração social de pessoas portadoras de necessidades especiais. Falaremos sobre a ação desenvolvida sob a direção de José Augusto Escalhão Roças, coordenador do Centro de Mergulho CCD_Porto, que evoca praticantes recreadores para a realização da prática do “mergulho adaptado”. Em seguida, a exposição tratará de deslindar sobre “um naufrágio é um mergulho na História”, em que será retratado histórias dos locais de mergulho no Norte de Portugal, com destaque ao caso do “Navio do Norte”, em que mergulhadores do âmbito recreativo contestaram e provaram que não estava correto o que estava registado nos livros de História e de Arqueologia. Encerraremos nossa exibição elucidando sobre como mergulhadores, sem o viés profissional, podem contribuir para o rastreio de cavalos-marinhos. Após as apresentações, será aberto o espaço de discussão, em que, espera-se responder dúvidas e promover reflexão crítica.

12h00 – 12h15 (🇧🇷) ~ 16h00 – 16h15 (🇵🇹) – 29/10/2021

Encerramento do XI Encontro da Rede Braspor “Entre-margens: a eterna «torna-viagem».
Vivendo no limite dos recursos costeiros e marinhos?”

12h20 (🇧🇷) ~ 16h20 (🇵🇹) – 29/10/2021

Reunião dos membros da Rede Braspor (zoom sala 2)

Create your website with WordPress.com
Iniciar
%d bloggers like this: